O pai que celebramos hoje

Foto: Arquivo Pessoal

Alguma coisa está mudando neste nosso Século XXI de modo rápido e vital, no conceito de família. É cada vez maior o número de lares em que apenas a mulher responde como “cabeça de casal” pelas responsabilidades da família. É parte da agenda em todo o mundo dar segurança jurídica e formalidade a famílias levadas por casais de mesmo sexo, onde a definição de “pai” é fruto de uma decisão entre os dois, ou as duas. Nas famílias tradicionais até recentemente, especialmente no início do Século XX, o distanciamento era tanto que as crianças viam o pai como um ser apartado do núcleo familiar, presente apenas nos fins de semana, isolado em uma aura de autoridade que começavam a romper à medida em que cresciam, ou não.

Hoje cresce o número de pais que abraçam com alegria a responsabilidade de orientar em condição de igualdade com as mães, o filho gerado. Os homens mudaram, e a sociedade muda com eles em sinais claros, como quando começa-se a discutir a colocação de fraldários em banheiros masculinos, para que pais solteiros, desacompanhados, ou que queiram, possam trocar seus bebês sem constrangimento. Uma medida simples, dirão alguns, mas foi preciso um ator famoso como Ashton Kuchter, pai de uma menina em 2015, fosse barrado em um fraldário em banheiro feminino e pusesse a boca no mundo, para que mais essa mudança passasse a ser entendida. Para o novo pai é fundamental participar, em tudo. Não é obrigação, é prazer e direito.

Muitos pais de hoje sabem que o papel deles na formação de uma criança é tão importante quanto o da mãe, porque é neles que os filhos e filhas se espelharão, para escolher o tipo de pessoa que serão no futuro. Já há toda uma legislação para tratar em condições de igualdade homens e mulheres que querem exercer esse papel, como licença paternidade junto a muitas outras iniciativas. Mas há um infinito ainda a fazer quando as estatísticas apontam para um significativo crescimento da violência em geral e da violência doméstica em particular.

Além de marcar a data, quero fazer eu mesma uma homenagem a meu pai, que vale como uma homenagem ao pai de meus filhos. No dia em que meu pai completou 33 anos, eu nasci. Pude então celebrar cada aniversário dele de forma dupla, pois era também o meu. Ele era um homem ativo, importante na sociedade, apreciador de datas e de celebrações, o que fazia com que a festa em ambientes públicos fosse dele. Eu me orgulhava da coincidência, e compartilhava dos eventos.

Tive um pai amoroso e presente, fomos grandes cúmplices ao longo da vida, numa época em que a distância entre pais e filhos era a norma. Um dos momentos em que essa distância se mostrava apenas formal, e a intimidade se fizesse presença, foi quando ele me pediu, aos meus 16 anos, que revisasse o livro que estava escrevendo e que, depois publicado, recebeu o título de “O Homem Brasileiro e o Mundo Político”. Quem pede para que outra pessoa leia e sugira sobre sua criação, como é um livro, considera essa outra pessoa de modo intelectualmente íntimo.

Em tudo meu pai Francisco Rorato, mineiro de nascimento, foi um exemplo. Estou certa de ser hoje a mulher que sou em grande parte graças a esse exemplo, e à certeza que sempre tive do amor e da confiança que recebia dele. Saber que tantos pais hoje se empenham, amam, educam e protegem seus filhos e filhas na nossa sociedade complexa e violenta, é para mim a segurança de uma geração que pode crescer mais feliz, e de uma sociedade mais amorosa e equilibrada. Para uma parte, esta infelizmente crescente sim, da sociedade que não encontra essa mesma realidade, cabe nosso trabalho para invertermos essa tendência.

Celebremos, portanto, neste Dia dos Pais, os avanços já conquistados. Reafirmemos nesta data as tantas pautas como a Paternidade Responsável e os Programas de Prevenção da Gravidez na Adolescência nas escolas onde convivem meninos e meninas para os quais uma educação que contemple a amorosidade e o equilíbrio que recebi de meu pai possa ser conversa que frutifique.

Por Yeda Crusius
Data: 13/08/17

2017-08-14T10:16:08-03:00 13 de agosto de 2017|Tags: , , , |

Deixe um Comentário