“Sim, há um descolamento entre a economia e a política. O empreendedor e a economia não estão parados”, afirma Yeda Crusius

Urbanização do Eixo Sul Complexo Industrial e Logístico, em Pelotas, ocorre em um ano e meio, quando empresas poderão se instalar

Foto: Divulgação / Eixo Sul Complexo Industrial e Logístico

Pelotas vai receber uma espécie de distrito industrial privado de um milhão de metros quadrados, o Eixo Sul Complexo Industrial e Logístico. O projeto de R$ 20 milhões da Incorporadora Marcelo Moreira e Lorenzet propõe segurança, redução de custos e logística adequada às empresas que se instalarem no Bairro Parque Linear, localizado às margens da BR-116. Stara, New Holland, John Deere e KLR Investimentos são algumas das empresas que já fecharam contrato.

– A Região Sul não tinha área industrial desse porte, então surgiu o nicho para colocar Pelotas na linha de cidades com estrutura para absorver a demanda, com estradas qualificadas, equipamentos – diz o sócio do empreendimento e responsável pelo projeto, Marcelo Moreira. – Visitamos espaços como o Greentec, em Caxias do Sul, e outro em Campinas, mas eram condomínios industriais fechados. Cogitamos esse modelo, mas não temos legislação para isso em Pelotas, então só foi possível fazer um loteamento aberto.

Foto: Divulgação / Eixo Sul Complexo Industrial e Logístico

A área pertence à Lorenzet Empreendimentos. Moreira explica que a incorporadora já tem os licenciamentos ambiental, urbanístico e de saneamento, que foram liberados rapidamente pelo poder público. Além disso, os empresários estão em consulta na prefeitura de Pelotas sobre incentivos fiscais à atividade industrial no município para atrair investidores.

A primeira etapa oferta 47 lotes com tamanho mínimo de mil metros quadrados – ou 320 mil metros quadrados no total – e infraestrutura que inclui rede de fibra ótica, wi-fi nas áreas públicas, pavimentação asfáltica e avenidas com seis faixas, entre outras facilidades. O bairro também tem áreas de esporte e lazer, ciclovias e projeta espaço para receber hotéis, paradouro e posto de combustíveis. A previsão é que a área urbanizada esteja concluída em um ano e meio, quando as empresas poderão se instalar.

Além de comprar os terrenos, as empresas também podem optar pela modalidade Built to Suit, que possibilita o aluguel do espaço. Os interessados escolhem a área, com contrato mínimo de locação de 20 anos, e a incorporadora constrói a empresa de acordo com as necessidades apresentadas, alternativa interessante para quem não dispõe de tanto capital e quer investir diretamente no negócio.

Por Marta Sfredo – Zero Hora
Data da Notícia:  06/07/17
Leia outras informações na coluna de Marta Sfredo

2017-07-17T14:09:39-03:00 6 de julho de 2017|Tags: , , , , |

Deixe um Comentário