Máquina de moer reputações

Crédito da foto: reprodução da internet

O jornalista Fernando Gabeira, no artigo Lições do Terror, de segunda (21/01) no jornal O Globo, reflete sobre a responsabilidade da imprensa: “…Acontece que estou reavaliando um pouco minha noção de jornalismo. Nossa tendência é dramatizar ataques, cortar as imagens de forma que o fogo e a destruição se destaquem…”.

Gabeira discorre sobre a importância do que a ONU batizou de jornalismo preventivo e me mobilizou, principalmente por vir logo após, no mesmo jornal, matéria que apregoava na manchete: “Bolsonaro nomeia secretária-executiva acusada de improbidade e danos ao erário”. Nela, talvez movido pela ânsia de fiscalizar o Executivo, e evitar que gestores mal-intencionados voltem a dilapidar dinheiro público em benefício próprio, o jornalista avisa que a nomeada é ré em processo por improbidade administrativa.

Infelizmente o autor colocou apenas no penúltimo parágrafo – por maldade ou ignorância típica de quem assassina reputações com a mesma facilidade com que pisca -, que o referido processo, vencidas as investigações e provada a lisura nas ações de reforma e construção de presídios, já foi arquivado. Vão informar com o mesmo destaque? Mais importante: quando e se o fizerem, será o suficiente, para restaurar a honra e a dignidade de uma excelente profissional, triturada por interesses escusos? Acho que não.

O jornalista Fernando Gabeira. Crédito da foto: Camilla Maia / Agência O Globo

O papel da imprensa é fundamental em uma democracia. Informar a população evita que administradores atuem nas sombras contra seus interesses, por isso mesmo sua responsabilidade é imensa. Como afirma Gabeira: “…Em muitos casos, informar com mais profundidade e exatidão pode abrir caminho para que a sociedade compreenda o que se passa e retome as rédeas de seu cotidiano.”. Esperemos que os profissionais da mídia se conscientizem dessa necessidade, e que as notícias, a partir de agora, informem com menos sensacionalismo e maior respeito à verdade. Seja ela qual for.

* Yeda Crusius é presidente Nacional do PSDB-Mulher, deputada federal no quarto mandato pelo Rio Grande do Sul, ex-governadora e ex-ministra do Planejamento.

Data do artigo: 21/09/2019

2019-01-22T10:23:40+00:00 21 de janeiro de 2019|

Um Comentário

  1. Paulo Cesar Aguiar Souza 2 de junho de 2019 às 20:25 - Responder

    A sua experiência e necessária para construção do Estado.

Deixe um Comentário