Destaques

Destaques 2017-07-09T21:22:03+00:00

Bem-estar, mal estar: Freud e a tabacaria

Querendo ou não, somos responsáveis pelo que ajudamos a construir com as nossas escolhas do passado, assim como os mais jovens são responsáveis pelo futuro que constroem a partir das suas escolhas de hoje. O tempo não para. A tecnologia que ajudamos a criar tomou velocidade e rumos próprios. Robôs substituem trabalhadores. Mas não criam nada, só organizam diferentemente o trabalho. Há quem crie. Há quem use. Nascidos para poderem conviver em paz, os homens continuam fazendo a guerra. Ainda bem que a maioria vota pela paz.

28 de novembro de 2019|

Palavra como encontro entre o gênio e o louco

Um dos filmes mais delicados que vi ultimamente é O Gênio e o Louco, baseado em fatos reais sobre o nascimento do dicionário da língua inglesa feito em Oxford, Inglaterra. Uma das cenas mais criativas é a que os atores representam no imaginado diálogo entre o autodidata, J. Murray, que se compromete com a Academia a escrever o significado de cada e de todas as palavras da língua, e o louco, William C. Minor. Naquele tempo a ciência médica considerava louco quem hoje é diagnosticado com uma doença tratável - portanto era um doente. Bom que mudou, e os tratamentos de hoje permitem que os antes segregados, internados em asilos, convivam em sociedade.

27 de novembro de 2019|

Milionários do Cruzeiro, cidadãos do Real

Fomos todos milionários no Brasil. Aparentemente, isso é bom. Só que não. Dos réis ao real, muita inflação rolou. Fomos milionários nos tempos pré-Real quando vivíamos correndo para aplicar o salário, pouco ou muito, no overnight - a aplicação do dinheiro enquanto dormíamos. A cada dia, correr atrás do valor que a moeda perdia a cada hora. Tempos de hiperinflação. Perguntam se isso importa aos que nunca viveram esse processo. Sim, importa. Tanto que governante que ameaçar a estabilidade conquistada com o Real cai.

26 de novembro de 2019|

Medos, mitos e máquinas

Vivemos hoje no palco da mais moderna das guerras, a das Comunicações. É bom conhecermos um pouco do passado para melhor avaliarmos para onde estamos indo. Quem podemos buscar para dar fim a essa moderna guerra, que mata reputações e elege olhando para trás, num passado que não existe mais e não pode ser prometido como o futuro que salva? Mito, deus ou máquina?

25 de novembro de 2019|

Moeda e Jano: as portas da percepção

Sou fascinada pela Linha do Tempo. E por números. A Linha do tempo é um instrumento poderoso para descrever a História. Só que o tempo não anda em linha reta. Nem a vida. Pelo andar do tempo, começamos num ponto até completar a roda da vida– ou ciclo – e voltar ao ponto de origem. Não estou falando de andar para traz, de saudade do passado. A geração jovem de hoje, ao viver seu ciclo, passa a ir nos entendendo melhor conforme o tempo - que lhe permite experimentar a vida, passa. Tá. O tempo é senhor da razão. Disse.

15 de novembro de 2019|